19
maio
06

Trash instrumental: essa, só aqui!

Não gosto de Tom & Jerry. Mãns de um pequeno número de episódios, eu gostei… Por incrível que possa parecer, são os 30 episódios produzidos pela Filmation Associates no ano de 1980.
Digamos que a dupla nunca foi tão trash quanto nessa série, animada totalmente ‘nas coxas’ (em um episódio onde Jerry é dominado por um “alienígena”, que na verdade é Tom, algumas cenas são desenhadas com régua!!!) e com uma trilha sonora, que pela primeira vez quebrava o padrão criado por Walt Disney, e deixava de acompanhar cada detalhe das cenas. Ao contrário, a trilha era composta apenas de BGMs. Por sinal, os mais legais, na minha opinião, já vistos no hemisfério ocidental, empatando com a trilha sonora da dublagem clássica (versão Maga) de Chaves e Chapolin. A trilha sonora dessa série é completamente pop, tem até sintetizador na parada, mais popular que a de muitos desenhos que tem por aí hoje!

Eu imaginava que essa série fosse mais antiga do que a série produzida já pelos próprios estúdios Hanna-Barbera, na qual os dois não brigam mais e são desenhados por Iwao Takamoto. Mas não: essa série de 1975, e a outra a qual nos referimos é de 1980 – e nos anos 80, Tom e Jerry já brigam como outrora.
Os episódios dessa época são exibidos pelo SBT desde não sei quando (porquê chegar ao Brasil no próprio 1980 naquela época seria rápido demais) até hoje. A Filmation se tornaria mais conhecida por outros desenhos, igualmente feitos para televisão e nas coxas: He-Man e She-Ra.

Bem, pensando em tudo isso, trago à vocês na interpretação de Fim da PIcada, uma rara peça de música trash instrumental: o Tributo às BGMs de Tom e Jerry.
Antes que vocês reclamem que ‘o som está alto’, é assim mesmo: as BGMs desse desenho animado, não sabemos por quê, tinham o áudio comprimido – por um compressor, mesmo, quem trabalha com som ou toca guitarra sabe o que é isso. Eu tentei simular isso no programa de gravação de áudio.
Sò sei que os caras foram pioneiraços em descobrir isso: anos depois, muitas músicas dançantes com bateria ‘comprimida’ fariam enorme sucesso, e algumas fazem as pessoas dançar até hoje.

EDIT: O ID3 Tag do arquivo está errado, como dissemos aqui, esses 30 episódios foram produzidos pela Filmation. O logo da MGM que aparece no final é uma edição feita pelo SBT, é provável que a MGM não tenha nada a ver com essa série – já não tinha com a série de 1975, da Hanna-Barbera.
As mesmas BGMs aparecem em outro desenho da mesma época e produtora, uma nova versão do Droopy, também já exibida pelo SBT e que muito de vez em quando aparecem alguns episódios na TV a cabo.

Agradecimentos: The Tom & Jerry Online
E saiba mais, muito mais, sobre a Filmation no site Ghostbusters Brasil. (Você sabia que foi a Filmation que inventou esse lance de caça-fantasmas?…)

Anúncios

0 Responses to “Trash instrumental: essa, só aqui!”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


VOCÊ CONHECE A FITA VHS “AS GAFES DA GLOBO EM 84”?

Conhece? Tem? Sabe quem tem? Já viu? Clique aqui.

Igor C. Barros Cartoons, o Blog

Feliz 2013! Este é o nosso blog secundário, porquê atendemos atualmente no Tumblr. Só que a compra do Tumblr pelo Yahoo! fez muita gente espontaneamente criar blogs da Wordpress. Seja como for, este blog está semi-de volta, só que diferente, despolitizado, mais maduro, mais velho, mais gordo, com menos cabelos, MAS com os mesmos sonhos:
"Fazer séries de desenho animado em grandes pólos produtores (EUA, Canadá, Japão, Filipinas, México) para que elas, com a máxima qualidade, possam também estar no Brasil, misturando-se às séries que vem do exterior, sem submeter-se aos ditames que regeriam o roteiro de um produto 100% nacional."
"Produzir músicas e/ou podcasts com qualidade equivalente a dos grandes estúdios para download ou streaming na Internet."

A Salt Cover? Desde 2010 ela é composta de mais pessoas além de mim, e atende em www.saltcover.com.br! Está sendo um tanto maltratada pelos nossos trabalhos na vida real, que sustentam o leitinho das crianças, mas está aí, e não morre quem peleia!

Crianças, que dia é hoje? 5:60!

maio 2006
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos Mort… digo, vivos (afinal, estamos na Wordpress)

As últimas do Twitter

Tá com dinheiro sobrando?

Sabe uma coisa que você pode fazer com ele? Doar para o Criança Esperança. Não é piada: pela Internet, você pode doar 24 horas e 365 dias por ano!!! E sem o Aragão te enchendo os pacovás! Duvida? Clique aqui!!

Este blog não é o seu genro, mas é bem visitado

  • 201,744 pessoas nos visitaram e filaram a bóia

ATENÇÃO À DATA DA POSTAGEM

Este blog tem textos escritos desde 2004, e muitos dos links deles ou até mesmo suas informações podem não ser mais válidas.
Eu sei que infelizmente você veio aqui justamente por causa disso, é o Gôógle que é sem noção mesmo. Aproveite que você está aqui, clique no banner lá em cima e veja os posts mais recentes!

Só pra constar, viu

Agora aqui na WP, na página Míusiqui, as músicas que embalaram uma geração, pra você e todo mundo cantar junto! Essas e muitas outras você só ouve na Rádio Salt Cover, mesmo porquê a rádio clandestina da sua quebrada tem um nome a zelar.
Em breve, confira também o nosso perfil no DeviantArt, onde você finalmente vai entender porquê este blog se chama Igor C. Barros Cartoons...

%d blogueiros gostam disto: